A realidade da imprensa regional

O declínio do jornal local – um bom relato da realidade vivida pela imprensa regional, publicado no mensário Notícias de Colmeias (página 3).

[O artigo é de Agosto, mas só agora me deparei com ele.]

Anúncios

A supremacia das fontes institucionais

“Reconheço (…) que a esmagadora maioria das peças publicadas resulta de acontecimentos de agenda e provenientes de fontes institucionais”, referiu o director do portal regional Setúbal na Rede. A afirmação de Pedro Brinca surge numa crónica da provedoria do mesmo órgão de comunicação social, onde Luís Bonixe reflecte sobre a falta de diversidade de fontes de informação nas peças do portal.

Este texto vem chamar a atenção, mais uma vez, para um problema que Pedro Brinca diz acontecer “não só no Setúbal na Rede como na grande maioria dos meios de comunicação de todo o país, em grande parte pelos fracos recursos existentes”.

É, de facto uma realidade que se constata facilmente na grande maioria dos jornais (e não apenas nos “pequenos”) e que levanta problemas ao nível da diversidade de fontes e perspectivas, assim como das temáticas abordadas. É preciso reflectir sobre ele e delinear estratégias e soluções.

Leia o artigo completo aqui.

Artigos interessantes

Aqui fica mais uma “resma” deles:

Em português:

Lá fora:

“It’s time for newspapers to make lemonade out of this seeming lemon”

Um artigo bastante interessante de Alan Mutter. Defende que os jornais devem combater a crise focando-se no local, criando conteúdo único e relevante para as suas comunidades. Aqui fica um excerto:

“Since there is no apparent way around the economic imperatives forcing early closes, it’s time for newspapers to make lemonade out of this seeming lemon. Far from being a bad thing, this is an opportunity for the industry to take some long-overdue steps to improve its competitive position. (…)

editors can escape the unavoidable latency of print by publishing unique, local stories that distinguish their products from all other competitors.

Instead of feebly trying to put a fresh gloss on yesterday’s news (…) editors producing unique local coverage can make TV, radio and the web chase them. (…)

By marketing themselves as the leading local news source in their communities, newspapers can reassert their value to readers and advertisers (…)

The process of capturing the local news agenda is simple: Pick stories of sweeping significance to your community, report them completely, tell them compellingly, pursue them relentlessly and play them effectively. Repeat as necessary. (…)

Rather than trying to conquer with quantity, newspapers should use their scarce resources to cover carefully selected matters that, well, matter.”

Veja algumas das propostas do autor no artigo completo. [Dica de Paulo Querido, no Certamente!]

How Online News Evolved in 2010

Artigo sobre os principais hits de 2010. [dica de António Granado]

Bom ano!

Artigos interessantes

Após algum tempo em falha, volto com mais uma série de artigos interessantes das últimas semanas. (Ver se a partir de agora mantenho o ritmo habitual.)

II Congresso Internacional de Ciberjornalismo

Local Fourth – Um projecto de investigação muito interessante, com ideias e passos a ter em conta na hora de criar ou actualizar um projecto (local)

Redacção aberta em open-space, onde se servem café e bolos. Ideia interessante

Outros

Twitter: 15 razões para ser usado pelos media

Why Twitter matters for media organisations“, de Alan Rusbridger traz-nos 15 razões para o twitter ser usado pelos media, nomeadamente pelos jornalistas.

  1. It’s an amazing form of distribution
  2. It’s where things happen first
  3. As a search engine, it rivals Google
  4. It’s a formidable aggregation tool
  5. It’s a great reporting tool
  6. It’s a fantastic form of marketing
  7. It’s a series of common conversations. Or it can be
  8. It’s more diverse
  9. It changes the tone of writing
  10. It’s a level playing field
  11. It has different news values
  12. It has a long attention span
  13. It creates communities
  14. It changes notions of authority
  15. It is an agent of change

 

Para saber mais pormenorizadamente sobre cada um dos pontos, leia o texto na íntegra.