Category Archives: Imprensa Local/Regional

A realidade da imprensa regional

O declínio do jornal local – um bom relato da realidade vivida pela imprensa regional, publicado no mensário Notícias de Colmeias (página 3).

[O artigo é de Agosto, mas só agora me deparei com ele.]

Anúncios

A supremacia das fontes institucionais

“Reconheço (…) que a esmagadora maioria das peças publicadas resulta de acontecimentos de agenda e provenientes de fontes institucionais”, referiu o director do portal regional Setúbal na Rede. A afirmação de Pedro Brinca surge numa crónica da provedoria do mesmo órgão de comunicação social, onde Luís Bonixe reflecte sobre a falta de diversidade de fontes de informação nas peças do portal.

Este texto vem chamar a atenção, mais uma vez, para um problema que Pedro Brinca diz acontecer “não só no Setúbal na Rede como na grande maioria dos meios de comunicação de todo o país, em grande parte pelos fracos recursos existentes”.

É, de facto uma realidade que se constata facilmente na grande maioria dos jornais (e não apenas nos “pequenos”) e que levanta problemas ao nível da diversidade de fontes e perspectivas, assim como das temáticas abordadas. É preciso reflectir sobre ele e delinear estratégias e soluções.

Leia o artigo completo aqui.

Artigos interessantes

Aqui fica mais uma “resma” deles:

Em português:

Lá fora:

Participação dos leitores: o papel do jornalismo comunitário

No artigo “When The News Lets Everyone Really Participate, It Changes The Way News Works” fala-se das novas formas de participação do público. Não apenas a possibilidade de comentar os textos, mas principalmente o seu papel na própria construção da notícia.

É preciso estar atento a novas tendências. O público pretende ser cada vez mais activo no processo de comunicação. Mas  também compreender o que esse fenómeno traz de bom e quais são os seus riscos/problemas.

Contudo, penso que será cada vez mais o caminho, especialmente nas publicações locais/regionais. Voltar a ligar as publicações às comunidades que servem, contribuindo para um envolvimento maior dos cidadãos.

Educação para os media: jornal-escola

Aproveito o post no Local Media PT sobre a parceria do jornal A Reconquista com algumas escola locais (Castelo Branco), para chamar a atenção para essa relação especial que pode ser conseguida entre meios locais e escolas.

Como refere o Pedro, existe uma “dupla importância” nestes projectos e parcerias: “1) a educação para os media e 2) o aproveitamento de nichos, como são os casos da educação e da informação local”.

Já existem vários projectos destes um pouco por todo o país. Eu própria fiz parte de um “programa escolar” na rádio local Maré Alta. Contudo, penso que muito mais pode ser feito. Tanto ao nível da educação para os media, numa procura de chamar os jovens para a leitura de notícias e para o contacto com os meios de comunicação social (não só os jornais). Como também de verdadeiras parcerias entre os media e os alunos/jovens, podendo estes contribuir com trabalhos jornalísticos. Não só os alunos ganham novas habilidades e experiência (neste mercado de trabalho tão sobrelotado), como os meios ganham ali uma nova fonte de trabalho. E quem melhor para participar nesta parceria senão os órgãos locais/regionais?

Muito disto se tem feito lá fora, com projectos fortes, por exemplo, entre universidades e media (veja-se o recente caso do East Village). Espero que por cá também seja cada vez mais uma realidade e prática comum.

50 jornalistas compõem imprensa açoriana

“A União” publicou hoje alguns dados sobre a imprensa açoriana, divulgados pela Lusa. Aqui ficam alguns números:

  • 6 ilhas têm jornais (os Açores têm 9 ilhas)
  • Quantidade de publicações: 6 diários, 8 semanários e 3 mensários
  • Quantidade de profissionais (no total): 50 jornalistas, 4 estagiários e 142 colaboradores não remunerados
  • Salário: jornalistas profissionais recebem entre zero a 800 euros

Jornalismo de investigação quase inexistente

A segunda parte do artigo d’A União refere-se a este facto preocupante e que parece ser uma constante nas várias publicações do arquipélago. Entre os principais factores destacam-se a proximidade com fontes e leitores (nomeadamente as forças políticas e económicas, que deveriam ser vigiadas ou investigadas), assim como a falta de meios (fazer uma investigação pode ser caro e demorado).

________

Por último, aproveito o exemplo do site d’A União para alertar para uma questão: o facto dos sites regionais muitas vezes não terem qualquer referência à localidade/região que abrangem. É preciso lembrar que um site, ao contrário do jornal, não tem constrangimentos geográficos, podendo ser lido por qualquer pessoa, em qualquer parte do mundo. Pessoa que pode nunca ter lido a edição em papel e ter entrado no site por acaso ou devido a um artigo específico que encontrou noutro lugar. Como tal torna-se fundamental que a localização de abrangência do jornal se torne clara em algum local da página (de preferência no header, perto do nome do site).

O site d’A União, por exemplo, não torna isso explícito. Apenas pelo teor das notícias se percebe que remete para os Açores, mas nem é claro se se foca mais nalguma ilha ou se pretende abranger todo o arquipélago.

 

[Também publicado no Local Media PT]

Um olhar pelo portal da imprensa regional

Um texto meu escrito para o Local Media PT, no qual é feita uma análise do site Imprensa Regional e do seu conteúdo actual (“em números”).

Excerto:

“O projecto conta já com 3 anos, no entanto o seu conteúdo é ainda modesto. A ele estão agregados apenas 47 sites em todo o país, existindo distritos nos quais nenhum meio aderiu ainda ao portal: Beja, Setúbal, Vila Real, Viseu e Região Autónoma da Madeira.

Para além disso, dos 47 sites inseridos, apenas 25 são “reais”, na medida em que se encontram com conteúdos actualizados.”

Para mais dados sobre o portal consulte o texto, nomeadamente a secção final.